La Intolerancia tiene miedo de la poesia

│Diario Al-Qods Libération│A INTOLERÂNCIA TEM MEDO DA POESIA!

             No dia 8 de agosto a intolerância a liberdade poética levou a poetisa árabe-israelita Dareen Tatour a cumprir cinco meses de reclusão. Tudo por causa de seus versos contra uma guerra sem fim, uma guerra que resiste pelo ódio e pela perseguição ao povo palestino. Onde granadas e balas das forças de Israel enfrentam pedras e versos palestinos numa corrente da poesia Palestina de Combate a ilustrar os confrontos da dor.
             “Resiste, meu povo, resiste” este é o verso de Darren, que luta contra a perseguição da sua cultura e história de seu povo.  Em forma de poesia escreveu sua indignação contra sua prisão. Segue um trecho do poema traduzido por mim na versão em inglês traduzida pelo poeta Tariq al Hayadar:

“Eu escrevi sobre a injustiça atual,
Desejos em tinta,
Um poema que eu escrevi ...
A acusação usou meu corpo,
Dos dedos dos pés até o topo da minha cabeça,
Porque eu sou poeta na prisão
Uma poetisa na terra da arte.
Sou acusada de palavras,
Minha caneta o instrumento.
Tinta - sangue do coração – testemunha...”

             A intolerância tem medo da poesia, pois ela manipula as pessoas ao mal, pois a paz aos homens do poder não existe, por causa da ganância ilustrada pelas armas, por uma guerra sem fim patrocinada pelo ego, onde a democracia é camuflada até aos versos de quem escrever o horror sem lógica, vividos por ambas partes, com as bênçãos do Capitalismo.
            Quem lucra com esta guerra sem fim? Quem ganha por essa cultura do ódio?
            Infelizmente não são os inocentes, as pessoas que comungam a paz em ambas as partes no território tão aclamado como santuário de Deus.
             Apesar de tudo, a poesia resiste em pleno século XXI num combate feito de versos a enfrentar a corruptela humana.

Rodrigo Octavio Pereira de Andrade (Rodrigo Poeta)
Escritor brasileiro


           
Segue abaixo a tradução do poema de Dareen Tatour em português que a levou a prisão:

Resista meu povo!  Resista!
(traduzido e revisado para o português por Rodrigo Poeta na versão em inglês traduzida pelo poeta Tariq al Haydar)


Na minha Jerusalém, vesti minhas feridas
E respirei minhas tristezas para Deus,
Que carregou a alma na minha palma da mão
Para uma Palestina Árabe.

Eu não vou sucumbir à "solução pacífica"
Desde que o veneno se espalhou,
Matando flores da minha casa.

 Nunca abaixei minhas bandeiras,
Até que eu os expulses da minha terra.
Eu gostaria que eles se ajoelhassem por um tempo.
Resista meu povo! Resista!

Resista ao roubo do colono.
Destruir a constituição é vergonha,
Que impõe a degradação e humilhação
E nos impede de restaurar a justiça.

Resista meu povo! Resista!
Siga a caravana dos mártires!
Eles queimaram crianças sem culpa,
Quanto a Hadil, eles a denunciaram em público.
Matou-a em plena luz do dia.
Quanto a Maomé, eles arrancaram os olhos,
Crucificaram ele, na dor de desenhada
Em um corpo.

Eles derramaram ódio em Ali!
Começaram os incêndios,
Esperanças queimadas no berço.
Resista ao ataque do colonialista.
Não ligue para seus agentes entre nós,
Que nos acorrentam com a ilusão pacífica.

Não tenha medo do Merkava!
A verdade em seu coração é mais forte,
Enquanto você resistir em uma terra!

Isso tem vivido incansavelmente através de invasões.
Então Ali chamou de seu túmulo:

Resista, meu povo rebelde.
Escreve-me como prosa no agarwood;
Meus restos têm você como resposta.

Resista meu povo! Resista!

         No dia 12 de agosto realizei com os meus alunos do sétimo ano do fundamental uma oficina de poesia em homenagem a poetisa Dareen Tatour com o tema: “Resista meu povo!  Resista!” dentro da realidade brasileira e mundial e que será tema em 2019 no XIII CONCURSO POESIARTE em homenagem a poetisa Dareen Tatour com apoio do Portal Árabe.

Segue abaixo alguns poemas e trechos escritos:

Resistam! Precisamos resistir!
Não importa a tristeza,
O importante é sorrir!

(Isabela Schneider)

Você precisa resistir agora,
Mesmo que esteja difícil.
Sei que é forte o suficiente
E que vai conseguir superar.

Tudo que está complicado
Vai ter um fim
No qual você não imagina.
Tudo irá se ajeitar conforme o tempo.
Apenas resista,
Seja forte.
Resista,
Você é capaz disso.

(Maria Eduarda Bezerra)

Meu povo! Vamos resistir!
Sei que há muitas injustiças,
Mas temos que resistir.

(Ana Karoliny)

Ó meu amado povo
Não desista, resiste!
Resiste meu povo,
Aguente a dor da guerra!
Resiste, meu povo, resiste!

(Caíque Ferreira)           
 │Diario Al-Qods Libération صحيفة القدس ليبراسيون - Toda la actualidad y el análisis sobre Medio Oriente y el mundo. - www.palestinaliberation.com - ISSN 2591-6033 Global Intellectual Property Registry Nº: 1 607138 370884 All rights reserved ©2016|│
Share on Google Plus

About Editor

Envia tu email y recibe las noticias todos los dias del diario Al-Qods Libération:

FeedBurner